AccueilCorinthians e Odebrecht firmam aliança para construir estádio

Data: 
Thu, 2010-09-02
Imagem: 
Resumo: 
A Odebrecht firmou, em 31 de agosto de 2010, um protocolo de intenções com o Corinthians para a construção de um estádio, em Itaquera, zona leste da cidade de São Paulo, pelo valor estimado de R$ 335 milhões, com capacidade para 48 mil pessoas

A Odebrecht firmou, em 31 de agosto de 2010, um protocolo de intenções com o Corinthians para a construção de um estádio, em Itaquera, zona leste da cidade de São Paulo, pelo valor estimado de R$ 335 milhões, com capacidade para 48 mil pessoas. Esse valor inicial compreende a execução de um projeto que atende padrões da FIFA para jogos internacionais. Serão feitas readequações do projeto e de seu valor, caso seja solicitado ao Corinthians que o mesmo seja utilizado para abrigar partidas da Copa 2014, inclusive sua abertura.

A modalidade de contratação entre o Corinthians e a Odebrecht, de caráter privado, prevê um contrato no conceito de aliança, com preço global a ser oportunamente negociado, conforme avance o detalhamento do projeto. Trata-se da mesma relação de confiança que vem permitindo à Organização Odebrecht estabelecer contratos de aliança com outras empresas, constituindo uma inovação da Organização para o melhor atendimento de seus Clientes. Essa relação diminui as exigências e condicionantes que encarecem as demais modalidades de contratação vigentes no país, notadamente as contratações públicas, agilizando processos de decisão e permitindo ganhos de produtividade e economia de custos, que são compartilhados entre Clientes e Construtora.

A proposta da Organização Odebrecht, com duas de suas controladas envolvidas – Odebrecht Infraestrutura e Odebrecht Participações e Investimentos - foi escolhida pelo Corinthians após um longo trabalho de pesquisa de áreas e estudos de demandas e receitas. A Odebrecht estudava uma proposta de estádio para o Corinthians há quase 10 anos. Nesse período, o Clube recebeu outras propostas que pudessem viabilizar o sonho de um estádio próprio e marcassem a comemoração do seu Centenário.

O pré-contrato prevê que o custo da construção, na concepção atual, será pago mediante a cessão do direito ao nome do estádio (naming rights), feita pelo Clube para a Odebrecht. O Corinthians negociará esse direito no mercado e, caso obtenha valor acima do custo da construção, o resultado excedente será do Clube. Caso o valor seja menor, o Clube se compromete a completar a diferença, por meio das receitas oriundas da venda de assentos e camarotes do novo estádio. Caberá à Odebrecht apoiar o financiamento, oferecendo as garantias necessárias à viabilização do empreendimento. Todas as disposições do pré-contrato estarão sujeitas à aprovação prévia do Conselho de Orientação e do Conselho Deliberativo, por parte do Corinthians; e do seu Conselho de Administração, por parte da Organização Odebrecht.

A Odebrecht também está presente em outros projetos de estádios no país, que já nasceram co