Comunicação

Notícias

Com a doação de 1.500 mudas nativas de Mata Atlântica na última sexta (12), a Odebrecht ajudou a restaurar um dos últimos remanescentes de Mata Atlântica de Salvador, que estava degradado desde 2009 por conta de desmatamentos. A doação das mudas foi feita para o 19.º Batalhão de Caçadores do Exército, unidade do exército brasileiro que abriga, no bairro do Cabula, nascentes do Rio Cascão em região devastada há oito anos por construções irregulares. 

As mudas foram cultivadas na reserva de Mata Atlântica que a Odebrecht mantém em sua sede em Salvador. Entre as mais de 20 espécies doadas, 96 mudas são da espécie popularmente conhecida como Pau-Paraíba, que está em extinção. 

Rafaela Freire, engenheira ambiental e Tenente lotada no 19.º Batalhão, afirma que há anos vinha lutando para conseguir restaurar a área, mas não obtinha sucesso. "Não é fácil conseguir mudas nativas de Mata Atlântica, muito menos vindo assim, em doações e tão bem cuidadas. A quantidade é suficiente para reparar o que foi degradado ao longo dos últimos anos, principalmente pela variedade de espécies", diz. A engenheira ainda aponta que as mudas de espécies frutíferas são muito importantes para a área, já que existem muitos animais na região, como macacos, que estão sofrendo em busca de alimentos. 

O plantio vai ser iniciado em 10 dias e, com os soldados focados na ação, a ideia é de que seja finalizado antes do inverno, para que a época de chuva fortaleça e agilize o processo de recuperação da área. O fragmento, porém, não é o único a receber colaboração da Odebrecht. Desde 2003, a empresa mantém um programa que, além de outras ações de educação ambiental, promove doações de mudas para diversos locais a partir do viveiro da reserva própria, que tem capacidade para preparação de 6.500 mudas por ano.