Negócios

Nossos Negócios

Enseada Indústria Naval


A Enseada Indústria Naval atua em sintonia com as necessidades do setor de exploração de petróleo em alto-mar, formando novas parcerias tecnológicas. Conta com uma carteira de encomendas de US$ 6,5 bilhões que inclui o desenvolvimento de seis sondas de perfuração para a Sete Brasil e a conversão dos cascos de quatro navios petroleiros (FPSO) para a Petrobras. No pico de suas atividades industriais e de construção civil do estaleiro, na Bahia, mais de 14 mil empregos foram gerados pela Enseada:

Na Bahia, com a implantação da Unidade Paraguaçu (vídeo) – de última geração – no valor de R$ 3,2 bilhões. O projeto tem estimulado ações para o desenvolvimento da cadeia de fornecedores junto à Federação das Indústrias do Estado da Bahia e ao Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. É o maior investimento privado no estado nos últimos 10 anos;

No Rio de Janeiro, com a operação da Unidade Inhaúma (foto), no bairro do Caju, arrendado pela Petrobras desde 2010. A empresa revitalizou 97% das instalações, incluindo reforma e compra de equipamentos e realizou serviços preliminares nos cascos da P-75, P-76 e P-77; 

A empresa tem como acionistas a Odebrecht, OAS, UTC e Kawasaki. Esta última mantém um consistente processo de transferência tecnológica com a Enseada, oferecendo treinamento de profissionais e consultorias em diversas áreas.

Unidade Paraguaçu, Bahia
Unidade Paraguaçu, Bahia
Unidade São Roque, Bahia
Unidade Inhaúma, Rio de Janeiro

Prêmios e Reconhecimentos

A Associação Brasileira da Construção Industrializada de Concreto concedeu à Enseada uma menção honrosa pela participação no Prêmio Obra do Ano. A Enseada também foi condecorada com menção honrosa, na categoria Inovação em Engenharia Offshore, no concurso Be Inspired Awards, promovido pela fabricante de softwares Bentley, com o projeto de acomodações para sondas.

O Programa Verde Novo venceu o 4º Prêmio Naval de Qualidade e Sustentabilidade promovido pelo Sinaval e a Fundação Odebrecht, através do Tributo ao Futuro, premiou o Consócio Estaleiro Paraguaçu (CEP) - responsável pelas obras de implantação do estaleiro na Bahia. 

A Enseada venceu em duas categorias nacionais e quatro regionais o Prêmio Aberje, considerado o “Oscar da Comunicação” brasileira. Com o blog Navegando Juntos, venceu o POP, promovido pelo Conselho de Profissionais de Relações Públicas. No Prêmio OAS de Produtividade, venceu em duas categorias, ocupando o primeiro e segundo lugar.

Túnel do Tempo

Anos antes das obras da Unidade Paraguaçu, na Bahia, as equipes de engenharia offshore da Odebrecht já haviam chegado à região de Maragojipe. Em 2007, o Consórcio Rio Paraguaçu (formado por Odebrecht Engenharia Industrial, Queiroz Galvão e UTC Engenharia) iniciou a construção das plataformas autoelevatórias de petróleo P-59 e P-60 para a Petrobras, no canteiro de São Roque. Em 2011, as plataformas foram lançadas no Rio Paraguaçu a partir de um corpo flutuante – uma balsa –, em uma operação inédita e inovadora.

Ainda durante a construção das plataformas, e acompanhando as demandas crescentes da indústria naval e os desafios postos à engenharia brasileira a partir do desenvolvimento da produção de óleo e gás no pré-sal, a Organização participou da formação do Estaleiro Enseada do Paraguaçu (EEP), em 2010. Em parceria com a OAS Investimentos e a UTC Participações, a Odebrecht intensificava sua atuação na construção, integração e reparos de unidades offshore, como plataformas, navios especializados e sondas de perfuração em um novo Negócio. No mesmo ano, o EEP arrendou a Unidade Inhaúma, da Petrobras, às margens da Baía de Guanabara (RJ), para a revitalização das instalações e a conversão de quatro navios petroleiros.

Em 2012, a Kawasaki Heavy Industries juntou-se ao grupo como acionista e parceira tecnológica e a nova empresa iniciou sua trajetória com uma sólida proposta empresarial, uma carteira de encomendas de US$ 6,5 bilhões e um projeto diferenciado: a construção do Estaleiro Enseada do Paraguaçu, na Bahia.

Em 2014, o Negócio passou a chamar-se Enseada Indústria Naval, com uma nova marca.