Comunicação

Releases

A Odebrecht assinou acordo de leniência com o Ministério Público e a Procuradoria Pública do Peru no sábado, 8 de dezmebro. O acordo é o mais importante marco de um amplo e profundo processo de colaboração com as autoridades do país, iniciado há exatamente dois anos. Neste processo, a empresa reconheceu responsabilidades, pediu desculpas à sociedade e se dispôs a reparar o Estado pelos danos civis sofridos.

Para a Odebrecht, o acordo, firmado conforme a Legislação vigente desde 12 de março de 2018 no Peru, simboliza um novo momento em que a Justiça peruana, empresas e organismos estatais contam com um modelo alinhado às boas práticas internacionais de colaboração e leniência, que já promovem a melhora das relações entre os setores público e privado em outros países.

No caso específico das investigações em curso no Peru, objeto da colaboração da Odebrecht e de seus ex-executivos no país, o acordo garante também a segurança jurídica dos trabalhos de investigação realizados até esta data, assim como a contínua atenção ao Ministério Público peruano e à sociedade.

A Odebrecht reitera seu compromisso em honrar o pagamento da Reparação Civil sob os termos acordados com a Procuradoria Pública do Peru, somado à responsabilidade assumida com seus trabalhadores, fornecedores e credores vinculados a suas obras e investimentos no país.

A Odebrecht passou por um processo de reestruturação e implementação de um rigoroso sistema de conformidade em toda sua atuação global e busca o crescimento sustentável, participando de projetos que contribuam para o desenvolvimento social e econômico dos países em que atua, com integridade, ética e transparência. Desde 2016, a Odebrecht vem reforçando as medidas de aprimoramento de sua gestão em termos de Conformidade e Governança. Incluiu membros independentes em seu Conselho de Administração, terceirizou o canal Linha de Ética, reforçou controles internos e adotou um amplo programa de treinamento anticorrupção. Veja as principais realizações na Linha do Tempo

A empresa também firmou acordo de leniência com autoridades do Brasil e de outros 7 países - Estados Unidos, Suíça, República Dominicana, Panamá, Equador e Guatemala, e está em negociações nos demais mercados em que atua.