Sustentabilidade

Valorização da Cultura

Artes

No esforço para fortalecer a Cultura do Brasil e de outros países, a Odebrecht patrocina estudos e a posterior elaboração de livros que resgatam o patrimônio de Comunidades onde atua.

Artistas e pesquisadores recebem apoio para desenvolverem trabalhos que contribuam para a construção da identidade de cada grupo social. O resultado é uma farta coletânea com obras sobre as mais diversas formas de arte, como música, pintura, escultura, poesia, tapeçaria e cerâmica.

Nos últimos anos, a Organização apoiou trabalhos sobre o modernismo de Tarsila do Amaral, as lentes de Cravo Neto, a Bahia de Caymmi, os clássicos de Villa-Lobos, o cordel de Elomar, o talento de Clarival do Prado Valladares e as pinturas de Lula Cardoso Ayres, Alberto Valença e Portinari, entre outros importantes artistas.

Confira abaixo o acervo construído por autores apoiados pela Organização: 

Sete Lendas Africanas da Bahia

Histórias mitológicas oriundas da África, colhidas oralmente entre descendentes de escravos na Bahia e fixadas pelo etnólogo Waldeloir Rego, integram o álbum Sete Lendas Africanas da Bahia. A obra reúne um conjunto de pranchas ilustradas com xilogravuras de Carybé, apresentadas por Jorge Amado.

Sete Lendas Africanas da Bahia mostra o mundo mágico e mitológico dos negros africanos – em especial bantos e sudaneses –, transportado e adaptado para o ambiente colonial da velha Bahia.

Foi publicado em edição bilíngue (português / inglês), em 1977, com tiragem de 200 exemplares assinados e numerados. O álbum inclui ainda reproduções de desenhos de Rugendas e fotógrafos estrangeiros anônimos, que passaram pelo Brasil no século XIX.

Tarsila - Sua Obra e Seu Tempo

Tarsila do Amaral (1886-1973) foi uma das mais importantes pintoras brasileiras surgidas com o modernismo de 1922. Quadros como Abaporu e A Negra são considerados, por estudiosos, marcos fundadores do Movimento Antropofágico, desdobramento da semana de Arte Moderna deflagrado em 1929.

Tarsila – Sua Obra e Seu Tempo reconstitui a trajetória biográfica e artística da pintora. Parte do figurativismo inicial, passando pela “conversão” modernista e seu engajamento nos anos 1930, até seu recolhimento voluntário, em meados dos anos 1960.

Por intermédio da reprodução de obras e documentos pessoais, o livro analisa a importância de Tarsila no contexto das artes plásticas brasileiras. Chama também a atenção para a singularidade de seu trabalho, aparentemente simples, mas reconhecido em todo o mundo como de extremas criatividade e ousadia.

O projeto editorial e o texto são da historiadora e crítica de arte Aracy Amaral, uma das maiores conhecedoras da vida e da obra de Tarsila, a cujo estudo se dedica desde os anos 1960.

Lançado em 1986, em comemoração ao centenário de nascimento da artista, Tarsila – Sua Obra e Seu Tempo tem projeto gráfico do escultor Emanoel Araújo.

Tiradentes/Portinari

Obra gigantesca, de 3,10 metros de altura por 10 metros de extensão, o mural Tiradentes foi projetado por Oscar Niemeyer para a cidade mineira de Cataguases e executado por Cândido Portinari (1903-1962). Ele narra em cores dramáticas e estilo modernista o martírio e a execução de Joaquim José da Silva Xavier.

Tiradentes / Portinari é um estudo desse mural, com texto e projeto gráfico do crítico de arte Jacob Klintowitz. O autor analisa o processo de criação de Portinari, enfatizando em “closes” textuais e fotográficos a importância de detalhes como mãos, rostos e agrupamentos humanos, dentro do conjunto da obra.

Edição bilíngue (português / inglês) de 1985, Tiradentes / Portinari tem fotografias de Rômulo Fialdini, que reproduz as cores e o impacto do mural original.

Tom Jobim

O álbum Tom Jobim, de 1987, apresenta a vida e a obra de um dos membros de uma geração que criou novos caminhos para a MPB. Lançada em 1987, a edição comemorava os 60 anos do compositor e maestro Antônio Carlos Jobim (1927-1994).

Enriquecida por significativa documentação iconográfica, essa homenagem a Tom Jobim constitui também o retrato de uma geração marcante para a história da Música Popular Brasileira.

Edição bilíngue (português / inglês), Tom Jobim inclui dois discos com 23 canções que o próprio músico selecionou e interpretou, com sua banda. Os textos são do jornalista Sérgio Cabral e o prefácio de Dorival Caymmi, amigo do cantor e compositor de longa data.

Em 1995, o álbum ganhou segunda edição, com os discos relançados em CD duplo.

Páginas