Sustentabilidade

Valorização da Cultura

Cidades e Regiões

A Odebrecht patrocina uma coletânea de livros que apresenta as características de cidades e regiões do Brasil e do exterior. Por meio dela, é possível conhecer as singularidades de lugares como a Ilha de Fernando de Noronha e o Vale do São Francisco, bem como a riqueza de municípios cosmopolitas, como São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Porto Alegre.

As publicações também descortinam a história e as belezas de países como República Dominicana, Equador e Venezuela.

Confira abaixo o acervo patrocinado pela Organização:

Salvador da Bahia de Todos os Santos no Século XIX

As aquarelas do arquiteto, urbanista e artista plástico Diógenes Rebouças (1914-1995) apresentam comovente retrato poético das ruas, casas e paisagens da capital baiana no século XIX. Desenvolvidas a partir de antigos registros documentais, promovem um verdadeiro resgate do sentido plástico da cidade naquele período.

Com planejamento gráfico e design do artista plástico Emanoel Araújo, apresentação do historiador Pedro Calmon e comentários de Godofredo Filho, Salvador da Bahia de Todos os Santos no Século XIX teve edição bilíngue (inglês / português), lançada em 1979.

Em 1985, o livro foi reeditado e ampliado, com a incorporação de novos trabalhos de Rebouças. A terceira edição, de 1996, fixou definitivamente a obra.

São Paulo

Maior metrópole da América do Sul, a capital paulista é flagrada pelas lentes de 11 fotógrafos de destaque na década de 70, que fornecem um retrato diversificado e inédito da cidade.

Arranha-céus, viadutos, monumentos e parques onde a natureza é a principal atração: do acervo histórico e arquitetônico ao cotidiano de seus habitantes, os múltiplos aspectos da cidade estão presentes neste ensaio de 1977.

Editada em inglês, o obra foi organizada por Stefan Geyerhahn, também responsável pelo planejamento gráfico. Introdução e legendas foram escritas por Leonardo Arroyo.

São Paulo - 1900

As transformações ocorridas no estado de São Paulo na passagem do século XIX ao XX foram registradas pelo fotógrafo suíço Guilherme Gaensly (1843-1928).

São Paulo – 1900, editado em 1988, apresenta uma seleção deste trabalho: a evolução do cenário urbano, as prósperas áreas agrícolas e o porto de Santos, entre outros. No total, 52 fotos documentam o poderio econômico e político da região.

Mais do que uma simples antologia iconográfica, a edição trilíngue (português / inglês / espanhol) oferece uma análise crítica da visão de Gaensly, realizada pelo professor e crítico de arte Boris Kossoy.

Trujillo Precolombiano

Por volta de 1535, o conquistador espanhol, Francisco Pizarro, percorria com suas tropas os vales costeiros do norte do Peru. Ao atingir a bela região do vale do Chimú, descobriu sinais de uma avançada civilização, com muitos edifícios, pirâmides e residências construídas em barro. Percebendo que era um local estratégico e de bom clima, Pizarro fundou ali a cidade de Trujillo, dando-lhe o mesmo nome de sua terra natal, na Espanha.

Trujillo Precolombiano é o registro da arte produzida pelos habitantes dessa região peruana antes do desembarque dos europeus no continente, em 1492. Obras de arte, arquitetura e utensílios domésticos representativos das culturas indígenas são reproduzidos, com o apoio de análises históricas e críticas de especialistas.

Edição bilíngue (espanhol / inglês) publicada em 1995, quando a Odebrecht completava 15 anos de atuação no Peru, o livro teve coordenação editorial de José Antonio Lavalle. Traz textos de Jorge Zevallos Quiñones, Guillermo Wiese de Orma, Raúl Apesteguía, Santiago Uceda e Ricardo Morales, além de fotografias e reproduções de Javier Ferrand e Fernando Salomón.

Venezuelas

Durante expedição de reconhecimento ao recém-descoberto continente americano, o navegador italiano Américo Vespucio desceu pela costa do Macuro e chegou à cidade indígena de Coquivacoa. Lá encontrou casas assentadas sobre palafitas. Associando essa paisagem a certa geografia de sua pátria, Vespucio a chamou de “pequena Veneza”, ou melhor, “Venezuela”.

Venezuelas mostra, por meio da arquitetura e das artes plásticas, toda a riqueza cultural desse país sul-americano de 912.045 quilômetros quadrados e cerca de 20 milhões de habitantes. Com mais de 400 fotos distribuídas por suas 512 páginas, o livro traz também as preciosidades naturais do país, como orquídeas, aves raras e a singularidade do relevo.

Com texto do poeta Luis Alberto Crespo e projeto editorial de Ernesto Armitano, a obra foi lançada na virada dos anos de 2001 e 2002, em três edições separadas (português, espanhol e inglês). Venezuelas revela tesouros arqueológicos e históricos que dão conta do sincretismo das culturas indígena e espanhola na região, expresso em múltiplas facetas – justificando assim o plural sugerido no título.

Páginas