Sustentabilidade

Valorização da Cultura

História

Estimular a preservação e a propagação da memória da Sociedade é fundamental para fortalecer a identidade coletiva e garantir o desenvolvimento sustentável das Comunidades.  Atenta a isso, a Odebrecht investe em acervos de institutos, biografias e registros da trajetória de países e corporações.

São obras como a que reconstitui a viagem do descobrimento do Brasil; a que narra o fim do Império e a instauração da República no Brasil; ou a que detalha a contribuição negra para a formação do país. Há ainda biografias como a de Castro Alves e a do Padre José de Anchieta; e coletâneas, como a Mapoteca do Itamaraty, um dicionário de biografias científicas, e um trabalho do naturalista italiano Antônio José Landi, realizado no século XVIII, que reúne esboços da fauna e da flora brasileiras.

Confira abaixo o acervo da Organização:

A Paz dos Farrapos

A Paz dos Farrapos, de Elmar Bones, aborda, de maneira jornalística, temas da Revolução Farroupilha (1835-1845). A obra foi lançada originalmente como encarte do jornal gaúcho Correio do Povo, em 1995, em comemoração aos 150 anos do fim da guerra. Em 2004, com patrocínio da Odebrecht, foi transformada em livro.

A Petroquímica Faz História

Em A Petroquímica Faz História, os autores Elmar Bones e Sérgio Lagranha procuram registrar toda a evolução da indústria petroquímica no Brasil por um viés jornalístico. Além de explicar a origem dos primeiros polos brasileiros, os autores apresentam os fatos marcantes da trajetória por meio de notícias dos principais jornais do país. O livro foi lançado em 2008, com patrocínio da Odebrecht.

Ajuris 60 Anos: o Fazer-se da Magistratura Gaúcha

Publicação de autoria de Günter Axt, Ajuris 60 Anos: O Fazer-se da Magistratura Gaúcha recebeu patrocínio da Organização Odebrecht e foi lançada em 2006. A obra reconstitui a experiência associativa e profissional de magistrados e a história da associação dos juízes do Rio Grande do Sul.

Aparados da Serra

Em Aparados da Serra, o autor Renato Dalto reúne escritos científicos, fotografias e textos do padre Balduino Rambo S. J. O religioso foi um grande incentivador da criação de instituições científicas e da conservação ambiental. A edição foi lançada em inglês e em português, em 2007.

Brasil Por Dentro – ...y lo social en la narrativa de Jorge Amado

Na década de 1980, Horacio Hidrovo Peñaherrera, escritor equatoriano, poeta reconhecido em toda a América Hispânica, promotor cultural e professor universitário, veio ao Brasil. Durante alguns meses, participou do curso de Políticas e Administração Cultural organizado pela OEA. Encantou-se pelo país e sua gente e, de volta ao Equador, pôs no papel suas impressões sobre o patrimônio cultural brasileiro e sobre as cidades que visitou.

O texto foi publicado numa edição modesta, com distribuição local e, 20 anos mais tarde, descoberto por um integrante da Odebrecht no Equador. À descoberta, seguiu-se o convite para que Hidrovo refizesse a viagem ao Brasil e atualizasse suas impressões. Assim nasceu o livro Brasil Por Dentro – ...y lo social en la narrativa de Jorge Amado.

Em sua primeira parte, a obra apresenta o texto escrito na década de 1980, acrescido de um capítulo com a nova apreciação do patrimônio cultural brasileiro realizada em 2001, ano de sua publicação. A segunda parte traz um estudo sobre a obra de Jorge Amado, em que Hidrovo ressalta a visão da sociedade brasileira apresentada pelo escritor baiano no chamado “romance proletário”.

Para ilustrar a obra, o fotógrafo Geleco foi convidado a acompanhar o escritor em seu novo giro pelo Brasil, captando imagens eloquentes de nossa terra e nosso povo.

Páginas