Sustentabilidade

Valorização da Cultura

História

Estimular a preservação e a propagação da memória da Sociedade é fundamental para fortalecer a identidade coletiva e garantir o desenvolvimento sustentável das Comunidades.  Atenta a isso, a Odebrecht investe em acervos de institutos, biografias e registros da trajetória de países e corporações.

São obras como a que reconstitui a viagem do descobrimento do Brasil; a que narra o fim do Império e a instauração da República no Brasil; ou a que detalha a contribuição negra para a formação do país. Há ainda biografias como a de Castro Alves e a do Padre José de Anchieta; e coletâneas, como a Mapoteca do Itamaraty, um dicionário de biografias científicas, e um trabalho do naturalista italiano Antônio José Landi, realizado no século XVIII, que reúne esboços da fauna e da flora brasileiras.

Confira abaixo o acervo da Organização:

Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro - 150 Anos

Em 1838, um grupo de políticos, militares, historiadores e intelectuais fundava no Rio de Janeiro o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Diferentes nas profissões e ideias, tinham um objetivo comum: promover a coleta, sistematização, análise e divulgação dos documentos imprescindíveis ao estudo da história e da geografia nacionais.

Edição comemorativa dos 150 anos do IHGB, publicada em 1990, Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro – 150 Anos constitui um criterioso levantamento dessa bem sucedida aventura da historiografia nacional.

O livro tem texto e projeto da pesquisadora Isa Adonias e prefácio do historiador Américo Jacobina Lacombe – à época respectivamente vice-presidente e presidente da instituição. Reúne documentos, livros, mapas, moedas, litografias, quadros, porcelanas, fotografias e periódicos. Também, objetos referentes aos governos imperiais, a expedições de naturalistas, à Conjuração Mineira e à Abolição da escravatura. Traz ainda informações sobre a imigração e colonização do Brasil, a cidade do Rio de Janeiro e a respeito do próprio Instituto.

Jockey Club: Histórias de Porto Alegre

A história do turfe gaúcho é contada por Márcio Rozano e Ricardo Franco da Fonseca no livro Jockey Club: Histórias de Porto Alegre. Os autores partiram de relatos históricos e dos aspectos da formação sociocultural do Rio Grande do Sul para a publicação, lançada em 2005 com patrocínio da Odebrecht.

José de Anchieta

O jesuíta espanhol José de Anchieta (1534-1597) chegou à Bahia em 1553 e de lá seguiu para a capitania de São Vicente, onde criou o colégio de Piratininga e participou da fundação da cidade de São Paulo. Deixou vasta obra, inclusive autos teatrais escritos numa mistura de espanhol, tupi-guarani e português, que marcam o início do teatro no Brasil.

Publicado em 1987, em edição bilíngue (português / inglês), José de Anchieta traça a trajetória do jesuíta, desde o nascimento e a infância na Espanha até a vinda para o Brasil, para evangelização e defesa dos índios. Escrito pelo padre Hélio Abranches Viotti, um dos maiores especialistas no assunto, o livro inclui rica iconografia de locais, objetos, obras de arte e documentos relacionados à vida de Anchieta.

Juscelino Kubitschek, o Tocador de Sonhos

Em sua sexta edição, o Projeto Memória, parceria entre a Fundação Banco do Brasil e a Odebrecht para a revitalização da memória nacional, celebrou o centenário de Juscelino Kubitschek com uma fotobiografia.

Publicado em 2002, Juscelino Kubitschek, o tocador de sonhos refaz a trajetória pessoal e política de JK, que se confunde com a própria história do país no período. O livro tem textos do jornalista Humberto Werneck e cerca de 300 imagens selecionadas pelo pesquisador Paulo Cesar Azevedo.

Os resultados da pesquisa que deu origem à obra foram divulgados numa mostra itinerante, exibida em 300 cidades de 26 estados brasileiros e no Distrito Federal. Foram transformados também num documentário e numa cartilha gratuitamente distribuída a estudantes e professores do Ensino Médio e Fundamental.

Luiz Rossetti: o Editor Sem Rosto & Outros Aspectos da Imprensa no Rio Grande do Sul

Luiz Rossetti: o Editor Sem Rosto & Outros Aspectos da Imprensa no Rio Grande do Sul é um levantamento histórico sobre a cultura e a imprensa gaúcha. Na obra, os escritores Elmar Bones e Carlos Reverbel também traçam um perfil de Luiz Rossetti. O ativista italiano criou e dirigiu O Povo, jornal oficial da república rio-grandense, durante a Guerra dos Farrapos.

A obra, patrocinada pela Odebrecht, foi lançada em 1996.

Páginas