Sustentabilidade

Valorização da Cultura

História

Estimular a preservação e a propagação da memória da Sociedade é fundamental para fortalecer a identidade coletiva e garantir o desenvolvimento sustentável das Comunidades.  Atenta a isso, a Odebrecht investe em acervos de institutos, biografias e registros da trajetória de países e corporações.

São obras como a que reconstitui a viagem do descobrimento do Brasil; a que narra o fim do Império e a instauração da República no Brasil; ou a que detalha a contribuição negra para a formação do país. Há ainda biografias como a de Castro Alves e a do Padre José de Anchieta; e coletâneas, como a Mapoteca do Itamaraty, um dicionário de biografias científicas, e um trabalho do naturalista italiano Antônio José Landi, realizado no século XVIII, que reúne esboços da fauna e da flora brasileiras.

Confira abaixo o acervo da Organização:

Netto Perde Sua Alma

O romance Netto Perde sua Alma, de Tabajara Ruas, conta a história do herói gaúcho, General Antônio de Souza Netto, ferido durante a Guerra do Paraguai. A obra patrocinada pela Odebrecht foi publicada em 1998.

Nossa Marinha - Seus Feitos e Glórias - 1822-1940

Desde o ingresso na Escola Naval, o almirante Trajano Augusto de Carvalho (1876-1942) alimentou o desejo de registrar em telas os principais feitos épicos da Marinha brasileira.

Nossa Marinha – Seus Feitos e Glórias – 1822-1940 mostra a concretização desse projeto. Foram reunidas 89 aquarelas pintadas por Trajano, de 1908 a 1940, retratando episódios marcantes e perfis de navios, desde a criação da Marinha Imperial Brasileira, em 1822.

Publicado em 1986, em edição bilíngue (português / inglês), o livro contou com coordenação geral do capitão-de-mar-e-guerra Max Justo Guedes e pesquisa histórica e texto final do capitão de fragata Belmiro de Lyra Maia.

O Brasil dos Viajantes

Da época do Descobrimento ao final do século XIX, centenas de artistas-viajantes passaram pelo Brasil, ou nele se estabeleceram. Eles deixaram como herança suas impressões particulares da natureza tropical e do povo brasileiro – um universo de imagens construído por homens de diferentes formações. Alguns deles são os holandeses Albert Eckout e Frans Post, o francês Debret e o alemão Rugendas.

O Brasil dos Viajantes é um inventário desse legado inestimável. São gravuras, mapas, pinturas, desenhos, tapeçarias e outros recursos plásticos que formam uma visão multifacetada do país. Publicado em 1994, em três volumes, o livro apresenta a primeira análise global desse aspecto pouco estudado da História do País.

O primeiro volume privilegia o Imaginário do Novo Mundo, a partir das primeiras representações visuais e figurativas dos séculos XVI e XVII sobre as terras recém-descobertas. O segundo, Um lugar no Universo, é dedicado à visão intelectual e reflexiva dos artistas-viajantes, entre o século XVI e as primeiras décadas do século XIX. No volume final, A construção da paisagem, a pesquisa se debruça sobre o novo olhar da arte, domesticado e delimitado pela técnica, a partir de meados do século XIX.

O livro é resultado de organização, pesquisa e texto de Ana Maria de Moraes Belluzo, da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP, e projeto gráfico e direção de arte de Victor Burton. O Brasil dos Viajantes é o resultado de quatro anos de pesquisas em fontes bibliográficas e primárias, localizadas em cinco estados brasileiros e 16 países.

O comércio do Açúcar — Brasil, Portugal e Países Baixos (1595-1630)

Autor: Daniel Strum, economista e historiador.

Projeto: O trabalho descreve o processo de comercialização da principal commodity do Brasil colônia, o açúcar, e apresenta um panorama da evolução da produção, comercialização e consumo do produto desde o início da colonização do Brasil até a invasão holandesa em 1630.

O Exército na História do Brasil

A presença destacada da figura do soldado nas diferentes fases da vida nacional é o tema deste monumental O Exército na História do Brasil. A obra, em quatro volumes é baseada em fontes primárias fidedignas e dotada de rica iconografia.

O primeiro volume aborda a fase colonial brasileira, mostrando a atuação da organização militar portuguesa no século XV, em episódios como: as invasões holandesa e francesa; os movimentos nativistas; e a expansão territorial que daria ao Brasil as atuais dimensões continentais.

No segundo volume, dedicado ao período de Reino Unido e Império, o foco é sobre a participação das forças armadas na integração nacional e na guerra de Independência. Também são destacados outros momentos decisivos da História, entre eles, a abdicação de D. Pedro I, a Regência e as guerras do Paraguai e do Uruguai.

A proclamação e consolidação da República brasileira é o tema principal do terceiro volume, que destaca também o papel do Exército na Primeira e na Segunda Guerras Mundiais. O quarto volume reúne mapas, esboços e esquemas militares, apresentados em folhas soltas para facilitar a consulta e o manuseio.

Publicada em 1998 em edição bilíngue (português / inglês), O Exército na História do Brasil vem contribuir para o aprofundamento do debate sobre a realidade brasileira. O livro teve coordenação geral de Luiz Paulo Macedo Carvalho, edição de texto de Olavo de Carvalho e projeto gráfico de Karyn Mathuiy

Páginas