Sustentabilidade

Valorização da Cultura

Parceria

Com o objetivo de preservar os patrimônios histórico, artístico e cultural dos países onde atua, a Odebrecht tem estabelecido parcerias com editoras, universidades, entidades representativas de classe e órgãos governamentais. Esse trabalho viabiliza importantes trabalhos na área. Desenvolvidas por estudiosos, as obras discorrem sobre assuntos diversos, mas que compartilham do intuito de propor uma reflexão sobre o passado, o presente e o futuro de diferentes segmentos sociais.

Veja mais sobre os títulos frutos dessas parcerias abaixo:

Acervos de Memória

Registro permanente da exposição comemorativa dos 50 anos da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Acervos de Memória pereniza o esforço de resgatar a memória do processo de construção da instituição. As fotografias que ilustram a obra foram obtidas em coleções de várias unidades da Uerj, doações de servidores e pesquisa no Arquivo Nacional. Uma equipe multidisciplinar, formada por bibliotecários, historiadores, arquivistas, técnicos em conservação, professores e estagiários da universidade, as organizaram para o livro, editado em 2001.

Adorável Comunista

Fernando Sant’Anna atravessou a o século XX mantendo o delicado equilíbrio entre a radicalidade das ideias de um comunista convicto e a flexibilidade de um homem aberto ao diálogo. Nascido em Irará, no sertão da Bahia, em 1916, ele é o protagonista de Adorável Comunista. Publicado em 2002 pela Versal Editores, Antonio Risério desenvolve uma narrativa que, sem perder o foco no protagonista, articula a história da esquerda brasileira no século XX.

André Rebouças - Reforma e Utopia no Contexto do Segundo Império

André Rebouças - Reforma e Utopia no Contexto do Segundo Império é fruto da tese de doutorado da professora Juselice Jucá. Com patrocínio da Odebrecht, a obra foi publicada em 2001, contando com o apoio de outras instituições: Fundação Joaquim Nabuco; Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro; Clube de Engenharia do Rio de Janeiro; Escola Politécnica da UFRJ; e Instituto de Estudos Brasileiros da USP.

O livro relata a trajetória do engenheiro baiano e aborda a questão agrária no contexto do movimento abolicionista e das lutas por reformas sociais e estruturais. Ideias essas defendidas por Rebouças.

Azulejos

Nas proximidades do atual campus da Universidade Federal da Bahia, havia, até 1933, o Solar do Bom Gosto, palacete neoclássico ornamentado com azulejos portugueses dos séculos XVIII e XIX. Demolido o solar, os azulejos foram reaproveitados na construção do prédio da Reitoria da UFBa.

As peças representam cenas de caça, pesca, galanteio, damas e jogos, em cenários holandeses, italianos e franceses e passagens mitológicas e bíblicas. Editada em 2003, Azulejos resgata essa história e multiplica o privilégio, antes reservado aos frequentadores da Reitoria, de apreciar os azulejos do Solar do Bom Gosto.

Barão do Rio Branco - Uma Biografia Fotográfica

Em 2002, no centenário da posse do Barão do Rio Branco no Ministério das Relações Exteriores, a Fundação Alexandre de Gusmão lançou a segunda edição de Barão do Rio Branco - Uma Biografia Fotográfica.

Fotobiografia do maior símbolo da diplomacia brasileira, a obra recompõe o cenário do Rio de Janeiro na virada do século XIX para o XX, ao ilustrar a vida e o ambiente do Barão. A introdução é de Rubens Ricupero e a organização, seleção iconográfica e legendas, de João Hermes Pereira de Araújo e Ricardo Joppert.

Páginas