Sustentabilidade

Valorização da Cultura

Parceria

Com o objetivo de preservar os patrimônios histórico, artístico e cultural dos países onde atua, a Odebrecht tem estabelecido parcerias com editoras, universidades, entidades representativas de classe e órgãos governamentais. Esse trabalho viabiliza importantes trabalhos na área. Desenvolvidas por estudiosos, as obras discorrem sobre assuntos diversos, mas que compartilham do intuito de propor uma reflexão sobre o passado, o presente e o futuro de diferentes segmentos sociais.

Veja mais sobre os títulos frutos dessas parcerias abaixo:

Cinco Histórias

Editado em 2004 e ilustrado por Bel Borba, Calasans Neto, J. Cunha, Murilo e Sergio Rabinovitch, Cinco histórias reúne, pela primeira vez em livro, narrativas breves escritas por Jorge Amado. As histórias, publicadas em antologias e periódicos, são: “Do jogo de dados e dos rígidos princípios”; “História de carnaval”; “As mortes e o triunfo de Rosalinda”; “De como o mulato Porciúncula descarregou seu defunto”; e “O episódio de Siroca”.

Cinemais - Revista de Cinema e outras Questões Audiovisuais

Voltada para os estudos sobre cinema e outros produtos audiovisuais, a revista bimestral Cinemais foi lançada em outubro de 1996 pela Editorial Cinemais, em parceria com a Odebrecht e a Secretaria para o Desenvolvimento do Audiovisual do Ministério da Cultura.

Com a Palavra o Escritor

Editado em 2002 pela Fundação Casa de Jorge Amado e organizado por Carlos Ribeiro, Com a Palavra o Escritor é o registro em livro dos depoimentos de 21 escritores. O grupo participou do evento homônimo que, desde 1994, reúne autores e leitores para debates sobre literatura. A obra traz ainda uma bibliografia dos depoentes.

Cora: Lições de Comportamento Feminino na Bahia do Século XIX

Editado em 2000 pelo Centro de Estudos Baianos da UFBa, Cora: lições de comportamento feminino na Bahia do século XIX é uma leitura crítica de Cartas sobre a Educação de Cora. A autora, Adriana Dantas Reis, analisa o polêmico tratado sobre a educação feminina, publicado em meados do século XIX. Ela reconstitui o cenário da elite feminina da época e confronta o discurso da Igreja Católica em relação à mulher com o discurso da medicina. Também analisa a obra e os vários partidos envolvidos na polêmica gerada por sua publicação.

De Sol a Sol – A chama da vida dos argentinos em 1.600 km de histórias compartilhadas

A publicação, escrita por Sérgio Llamera, retrata histórias de argentinos que vivem em áreas de influência do Projeto de Ampliação do Gasoduto, executado pela Construtora no país. De Sol a Sol – A chama da vida dos argentinos em 1.600 km de histórias compartilhadas foi produzido pela Agência Llorente e Cuenca, com o patrocínio da Construtora Norberto Odebrecht.

Por meio de textos e imagens, a obra traça um paralelo entre os valores que regem a Organização Odebrecht e o espírito empreendedor dos argentinos. Estes valores estão instalados em gestos de pessoas de diferentes idades e culturas.

Páginas